enlutada, 2018  -  vídeo para dois canais  -  5 minutos - edição 1/3     câmera e edição ricardo barcellos     

maos.png
pés.png
maos5.png
pes5.png
maos6.png
pes3.png

enlutada, 2018  -  quadros de vídeo

exposição água da palavra - quando mais dentro aflora, curadoria de galciani neves - instituto adelina  -  são paulo, brasil  -  2018/2019

Enlutada integra um corpo de estudos e operações tradutórias das obras literárias da brasileira Hilda Hilst (1930-2004). A palavra e o momento político brasileiro (vésperas da eleição presidencial de 2018) foram matérias de ignição para o trabalho, que aborda a noção do corpo como um lugar de resistência, mas também de estreitamento e de conexão entre opostos.

O registro da ação sequestra o corpo em esforço, desassossegado, convulsionando por dentro em lívido silêncio e com a alma esvaziada, revelando apenas movimentos sincrônicos intermitentes de seus extremos, que seguem direções opostas à semelhança do que se dá nas extensões de um corpo filiforme em suspensão por tempo interminável.

O corpo em coreografia imprevisível, de mãos com sede de céus e de pés que não caminharão; e que tampouco se estenderão em raiz.

“Ser terraE cantar livremente

O que é finitude

E o que perdura

Unir numa só fonte

O que souber ser vale

Sendo altura”

(Memória – Trajetória Poética do Ser – Hilda Hilst - 1963/66


“...
Que seja sempre terra o que é celeste
E que terrestre não seja o que é só terra”

(Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé. De Adriana para Dionísio - Júbilo,
Memória, Noviciado da Paixão – Hilda Hilst - 1974)

 

“Essa lua enlutada, esse desassossego
A convulsão de dentro, ilharga
Dentro da solidão, corpo morrendo
Tudo isso te devo. E eram tão vastas
As coisas planejadas, navios,
Muralhas de marfim, palavras largas
Consentimento sempre. E seria dezembro.
Um cavalo de jade sob as águas
Dupla transparência, fio suspenso
Todas essas coisas na ponta dos teus dedos
E tudo se desfez no pórtico do tempo
Em lívido silêncio. Umas manhãs de vidro
Vento, a alma esvaziada, um sol que não vejo
Também isso te devo.”

(O poeta inventa viagem, retorno, e sofre de saudade – Júbilo, Memória, Noviciado da
Paixão – Hilda Hilst - 1974)

IMG_3618.jpg
IMG_3722.jpg

enlutada, 2018  -  quadros de vídeo

montagem escola britânica de artes criativas -  são paulo, brasil - 2019