gold_duplo_edited_edited.jpg

E nada a não ser água e seu rumor aos ouvidos chegava - 2019 - fotografia  impressa em canvas - 70 x 46 cm - edição 1/7 + pa 

de canto arenoso, toca os ouvidos com o som chegando a ter cor.

nada sozinhx no mundo, acompanhadx de água ínfima transparente.

a transparência tem espera esverdeada, de tanto observar.

a imaginação é travessa e alça vôo quando cansa do mar.

ainda que gritasse pro mundo, só alguns seriam capazes de ouvir.

azul gigante, ainda mais que mar imenso, navega.

grande navio à deriva carregando tantos potes dourados e memórias trancadas.

 

andarilhx, desafia as rotas das correntezas.

canta pra caber todas as vozes de todos os seres que habitam o oceano.

leva as miudezas, pedaços de terra e ilhas encontradas.

há um corpo que flutua na superfície do planeta

há quem duvide deste mesmo corpo, capaz de girar em si mesmo e descobrir tudo aquilo que existe sem sair do lugar.

há também uma pele escamada de textura de peixe que cobre todo o manto azul, costurado às mãos do vento.

há um corpo, uma ilha, um oceano e a perda.

há também a necessidade da gota.

a potência da água

tem eu e você, e ainda isso tudo pra nadar.

Giulia Frascino