O interesse pelos elementos da cultura brasileira declarados patrimônio imaterial me levou ao registro das rodas de samba espalhadas por São Paulo. Estar nas rodas, ou cercada por elas, fez distante as discussões sobre suas origens, e mesmo sobre a definição de onde nasceu o samba no Brasil. É sentido que ele nasce a cada formação, cresce proporcionalmente ao diâmetro das rodas e se perpetua com a incorporação dos espectadores aos rituais de devoção, de verdadeiro culto ao ritmo, aos instrumentos, a poesia em forma de música e aos intérpretes do samba. O espaço de infindo batucar é lido em gestos de mãos e pés, ora contidos, ora esparramados; é lido em luzes ou na ausência dela; e é percebido também em cada pausa, de um ou de mil compassos. As imagens não dão conta da principal forma de harmonia musical brasileira, mas são um convite a experiência que se vive em cada roda, em Sampa ou em qualquer outro lugar do mundo.